Colunas
 
Quem ama os irmãos revela a Deus
Por: DOM PAULO MENDES PEIXOTO
ARCEBISPO DE UBERABA - MG
www.bispado.org.br
 
Leia os outros artigos
 
Para enviar esse texto automaticamente no FACEBOOK, clique no botão abaixo:
Você tem muitos amigos e envia e-mails para todos? Então você pode enviar esse artigo para todos seus amigos de uma única vez, basta copiar a url abaixo e colar em seu e-mail.
Para enviar manualmente, copie CTRL C o código acima e cole CTRL V no mural ou mensagens de e-mails dos seus amigos:
Leia os outros artigos
 

Não sabermos sequer se houve o samaritano da parábola. Mas, hoje, chamamos de bom samaritano qualquer pessoa de bom coração que ajude aos seus irmãos sem nada pedir em troca. Não há melhor coisa do que se encontrar um bom samaritano, quando alguém anda perdido pelos caminhos da vida, sem rumo e, talvez, ferido e surrado. Até é possível que nos surpreenda sua generosidade ilimitada, o carinho gratuito que recebemos, tão acostumados que estamos a pagar por tudo o que recebemos.

Mas a parábola de Jesus vai mais além. Porque o samaritano não é apenas alguém que parou para atender aquele homem abandonado e ferido à beira do caminho. Na sua parábola, Jesus coloca o samaritano em relação com outros personagens bem conhecidos do povo judeu: um sacerdote e um levita. Os dois são representantes da religião oficial judaica. Os dois oficiam no templo e são mediadores entre Deus e os homens. Supunha-se que sacerdotes e levitas tivessem um acesso a Deus do qual eram privados os demais crentes – o mesmo que hoje muitos cristãos pensam ainda sobre sacerdotes e religiosos. O samaritano, segundo a perspectiva judaica, pertencia praticamente ao extremo oposto da escala religiosa. Era um povo que havia misturado a religião judaica com outras crenças estranhas. Era um traidor da fé verdadeira, um povo impuro. E, o mais grave, é que seja precisamente o samaritano quem se saia melhor, porque se comporta como Deus quer: aproxima-se do próximo desamparado e abandonado.

Na realidade, Jesus está reconstruindo nossa relação com Deus. Muito mais importante que o culto oficial e litúrgico do templo é a aproximação ao irmão necessitado. Muito mais valioso que oferecer sacrifícios e orações é adorar a Deus no irmão ou irmã que sofre, seja qual for o motivo. Jesus não era um dos sacerdotes dos judeus, mas profeta. Afasta-se do templo e nos convida a viver nossa relação com Deus no encontro diário, habitual, na rua, com nossos irmãos e irmãs. É lá onde se estabelece nossa relação com Deus. Somente se formos capazes de amar assim poderemos dizer que amamos a Deus.

São João já disse que quem diz que ama a Deus e não ama seu irmão é um mentiroso. Ao contrário, aquele que ama seu irmão revela Deus para o mundo.

 
 
xm732