Liturgia Dominical
 
Festa de Santo Antônio.
Por: Padre Wagner Augusto Portugal
Vigário judicial da Arquidiocese de Juiz de Fora
e presidente do Tribunal Eclesiástico Interdiocesano
 
Leia as outras homilias
 

“Vinde e vede – Cristo está no meio de nós!”

Celebramos o dia de Santo Antônio, Padroeiro da Sé Catedral Metropolitana de Juiz de Fora. Padroeiro Principal da Arquidiocese e do Seminário Arquidiocesano, que neste ano comemora o seu octogésimo aniversário de instalação canônica.

Antônio nasceu em Portugal no ano de 1195 e ingressou na vida religiosa dos Cônegos Regulares Agostinianos, em Coimbra. Fascinado pelo seguimento da nova vida religiosa e missionária intuída por São Francisco de Assis aderiu à nova Congregação Religiosa fundada e ingressou no convento seráfico de Santo Antônio de Coimbra. Destacou-se como grande pregador da Palavra de Deus, pelo exemplo e pela ascese e exerceu o seu ministério apostólico, principalmente nas terras italianas, no norte do país e, posteriormente no sul da França.

Meus irmãos,

Três são as leituras que nós refletimos na santa missa de hoje, proposta pela equipe que preparou o novenário e a festa de Santo Antônio. Durante os nove dias que nos preparamos para o dia de hoje fomos convidados a nos mergulharmos no mistério do Cristo, a quem Santo Antônio consagrou a sua vida. Santo Antônio foi um homem que acreditou profundamente em Deus pela ação do Criador em benefício da humanidade. Deus ama muito os homens, por isso enviou o seu Filho Jesus para nos Salvar.

Jesus veio ao mundo com uma missão muito específica anunciar a salvação. Por isso a Primeira Leitura da Missa de hoje nos ensina a presença de Deus na vida dos homens e na vida de Santo Antônio anima a vida de todos os batizados: “O Espírito do Senhor Iahweh está sobre mim, porque Iahweh me ungiu; enviou-me a anunciar a boa nova aos pobres, a curar os quebrantados de coração e proclamar a libertação aos que estão presos, a proclamar uma ano aceitável a Iahweh e um dia de vingança do nosso Deus, a fim de consolar todos os enlutados a fim de por aos enlutados de Siao..., a fim de dar-lhes um diadema em lugar de cinza e óleo de alegria em lugar de luto, veste festiva em lugar de espírito abatido. Chamar-lhes-ão terrebintos de justiça, plantação de Iabweh para a sua glória”(Cf. Is 61,1-3a).  

Realmente o Espírito de Deus está hoje pairando sobre esta Assembléia em Festa. O Espírito de Deus que abençoa. O Espírito de Deus que ilumina. O Espírito de Deus que anima a comunidade e dá constância aos homens e mulheres que colocam a sua confiança em Deus, como Santo Antônio colocou a sua inabalável confiança não nos homens, mas em Deus, a quem consagrou a sua vida, e se fez missionário, pobre, repartindo com os pobres todos os seus dons, o pão da Palavra e o dom da Eucaristia, mistério e louvor para que todos tivessem vida e vida em abundância.

Meus queridos amigos,

O Evangelho de São Lucas é o convite que Jesus fez primeiro aos Apóstolos. É o convite que Jesus fez a Santo Antônio, no século Fernando de Bulhões. É o convite que faz a cada um de nós, que nesta manhã de 13 de Junho viemos nesta Sé Catedral dedicada ao padroeiro das causas difíceis implorar pela nossa vida e pelas nossas vicissitudes.

Qual é a primeira missão da Igreja? Anunciar que Jesus Cristo é o caminho, a verdade e a vida(Cf. Jo 10,10). A quem cabe esta missão? A todos nós, que somos batizados em nome da Santíssima Trindade, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Todas as vezes que fazemos o sinal da Cruz nós renovamos o nosso compromisso de sermos evangelizadores e comprometidos com a pertença ao Reino de Deus, que quer ser reino de paz, que quer ser reino de justiça, mas que quer ser reino de irmãos e reino de irmãs.

Qual é o nosso compromisso? O nosso compromisso é sermos Igreja. Igreja que quer ser missionária. Igreja que tem a missão de anunciar o Cristo. E essa missão não é só dos bispos, padres, diáconos, religiosos, religiosas e seminaristas. Pelo Batismo esta missão é de todos nós. Quem nos envia? É o próprio Cristo. Cristo nos envia para onde e para que? Cristo nos envia: “Ide! Eis que vos envio como cordeiros entre lobos”(Cf. Lc 10, 3).

O que devemos levar na nossa missão de evangelizadores? Responde o próprio Cristo: “Não leveis bolsa, nem alforje, nem sandálias e ninguém saudeis pelo caminho”(Cf. Lc 10, 4). Qual deve ser a atitude e o saudação que os evangelizadores devem usar em sua missão? Nosso professor Jesus, diretamente e didaticamente nos ensina: “Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: Paz a esta casa!”E se lá houver um filho de paz, a vossa paz repousará sobre ele; senão, voltará a vós”. (Cf. Lc 10, 5-6).

E, Jesus, de maneira simples pede que o missionário estando cumprindo o seu mandato missionário, na missão tenha hábitos simples e coma junto com quem é evangelizado, bebendo e alimentando do que lhe é oferecido, curando os doentes, anunciando a libertação aos cativos e anunciando que o Reino de Deus está próximo.

Irmãos,

O que significa: “O Reino de Deus está próximo?” A proximidade do Reino de Deus quer significar que a conversão é urgente e necessária para todos os homens e mulheres. Todos nós, por mais santos ou mais pecadores que sejamos, somos chamados a olharmos para o Cristo, para nos convertermos. Somos chamados a subirmos o monte que é Cristo.

Por isso temos intercessores que nos ajudam a caminharmos para o Cristo. Hoje nos lembramos de um intercessor especial: Santo Antônio, padroeiro desta Paróquia, desta Sé Catedral, desta Arquidiocese e do nosso Seminário. Que Santo Antônio nos ajude, a cantar os louvores de Deus, para que o Senhor possa, conhecendo a confiança de meus esforços na Misericórdia do Cristo, vir em socorro da minha miséria, para que nós possamos sermos sempre missionários do Cristo.

Fitemos, pois, agora nossos olhares para a secular imagem de Santo Antônio, achada pelos nossos antepassados há mais de cento e cinqüenta anos nestas terras benditas de Santo Antônio do Paraibuna. Nela Antônio, o santo padroeiro, carrega o Menino Deus em suas cândidas mãos. Ele aponta o Cristo para nós.

Nós queremos acorrer ao Cristo, o Bom Pastor, que conhece as suas ovelhas e as chama pelo nome. Santo Antônio hoje, dia em que comemoramos o seu dia, o dia da cidade de Juiz de Fora, quer ser comprometida com as missões populares, atendendo ao convite de nosso Arcebispo e da Igreja.

A dimensão da Missão. Vamos, como Santo Antônio, não só carregar o Cristo em nossos braços, mas deixarmos sermos carregados pelo Coração Sagrado do Cristo, que nos chama a sermos missionários e a sermos dóceis a Ele. Isso porque hoje nós viemos aqui para quê? Para receber o pão de Santo Antônio? Sim, para receber o Pão de Santo Antônio. Mas não só para isso. Nós viemos aqui para venerar nosso Padroeiro, que é fonte segura de bênçãos e nos ajuda a chegarmos junto da Trindade? Também, essa dimensão nós queremos nunca esquecer, sempre buscamos nos santos nossos intercessores junto de Deus.

Mas, o principal, o fundamental, é que queremos à partir de Santo Antônio ver o Cristo Ressuscitado, que está aqui conosco. Por isso, nós queremos proclamar: “Vinde e vede – Cristo está no meio de nós!” Deixemo-nos penetrar no espírito de Cristo, que é o Espírito de nosso querido Santo Antônio, que é o espírito de caridade, o espírito de fazer o bem ao irmão, que é manifestado especialmente pela Santa Missa e vamos continuar confiantes na missão de sermos arautos do evangelho, anunciadores da Boa Notícia, levando o Evangelho da salvação a todos os nossos irmãos. Amém!



 
 

xm732