Crisma
 
Encontro 17
Jesus anuncia a Boa Nova do Reino
 
Leia os outros encontros de Crisma
 

Introdução

Para os jovens, é muito importante essa proximidade com Jesus. Nele se busca referência, ânimo para se empreender projetos igualitários e, principalmente, um grande amigo. Portanto, mais que falar sobre Jesus, o interessante é que os crismandos testemunhem como o sentem em sua vida, estando assim mais abertos ao novo que ele anuncia e àquilo que a equipe de catequistas quer trabalhar.

Objetivo
Mostrar o compromisso de Jesus para com o Pai na realização do Reino entre os homens. Isto se traduz em vida plena para todos. Jesus nos mostra como ser mais gente, mais humano e como viver em sociedade.

Estratégias
Sobre um tapete ou esteira colocar os materiais e símbolos que serão utilizados no encontro. Perguntar para o grupo se ele fez a pesquisa combinada na reunião anterior. Cada um pode falar o que achou ou o que está pensando no momento sobre o que é o Reino de Deus. Pedir a Deus que possamos não só falar sobre o Reino, mas que aprendamos a senti-lo como um já em nossa vida.

1º Dinâmica
Objetivo

Aprofundar o conteúdo e o método de Jesus no anúncio do Reino.

Material necessário
Bíblia e o símbolo escolhido pelo grupo.

Descrição da dinâmica
1°passo - Dividir o grupo em sete subgrupos. Cada um vai ler um trecho do Novo Testamento que apresenta o anúncio do Reino feito por Jesus. Após a leitura, o grupo deverá analisar a maneira como Jesus anuncia a Boa Nova, e como nós, hoje, podemos fazer o mesmo:
Grupo 1 - leitura de Lucas 6,20-23 - caminhada de Jesus com os pobres;
Grupo 2 - leitura de Marcos 10,4.13-1 6 - anúncio de Jesus às crianças;
Grupo 3 - leitura de Lucas 1 0,38-42 - anúncio de Jesus às mulheres;
Grupo 4 - leitura de Mateus 9,10-13 - anúncio de Jesus aos pecadores;
Grupo 5 - leitura de Marcos 2,1-12 - anúncio de Jesus aos doentes;
Grupo 6 - comparar Marcos 10,17-27 e Lucas 19,1-10 - anúncio de Jesus aos ricos;
Grupo 7 - leitura de Mateus 10,1-25 - anúncio de Jesus aos seus discípulos.

2°passo - Escolher um símbolo que expresse as descobertas do grupo.

3ºpasso - Apresentação. Conclusão.

2º Dinâmica
Objetivo

Conhecer as condições em que se anuncia o Reino de Deus: avanços e dificuldades.

Material necessário
Bíblia, sementes, barbante (ou fita), pedras, arbustos e terra.

Descrição da dinâmica
1 °passo - Organizar os objetos de cena e as pessoas que vão fazer a encenação: com o barbante (ou fita), delimitar duas retas simbolizando as laterais de um caminho. Colocar pedras numa parte, gravetos noutra e, por fim, terra boa.

2°passo - Leitura de Mateus 13,1-9: alguém vai jogando as sementes, conforme o desenrolar da história.

3ºpasso - Colocações espontâneas sobre o que viram e ouviram, buscando-se, num segundo momento, atualizar a parábola (pode-se ler a explicação em Mateus 1 3,1 8-23).

4°passo - Conclusão: vale a pena o serviço de evangelização, pois, apesar das dificuldades, cada semente que brota dá muito fruto.

3º Dinâmica
Objetivo

Perceber por que o anúncio do Reino gera conflitos.

Material necessário
Livro do crismando ou texto impresso e canetas ou lápis.

Descrição da dinâmica
1°passo - Leitura do texto abaixo:

Jesus Cristo, coerência que incomoda

Numa grande cidade do Brasil todos se preparavam para o Natal do Filho de Deus. As lojas com seus anúncios procuravam atrair clientes. As pessoas corriam à procura de alguma lembrança para os amigos. Crianças admiradas olhando para a figura lendária do Papai Noel. Chega a noite santa. Numa das principais alamedas, cheia de palácios, vêem-se luzes, músicas, risadas. Tudo indica festa. De um prédio em construção sai um homem na flor da idade. Cabelos compridos, barba inculta, chinelos nos pés. Lentamente se aproxima de um dos palacetes. Pergunta ao porteiro que festa era aquela, pois vislumbrava casais abraçados, dançando, levantando cálices com brindes. A resposta foi seca: "Não está vendo, seu vagabundo, que aqui se festeja o Natal de Cristo?". Meneando a cabeça, o indivíduo se retira. Aproxima-se de outras nobres residências, a mesma pergunta, a mesma resposta. Também nos bares e clubes da avenida, a mesma cena, a mesma pergunta e a mesma resposta. De repente, numa das últimas mansões, aquele homem, com força irresistível, entra pelo salão adentro; com um chicote começa a bater em todos, a derrubar as taças e garrafas, e a arrebentar os cristais. Ao mesmo tempo, gritava: "É assim que festejam a vinda do Salvador, com nenhum pensamento para Ele?". Telefonemas. A polícia chega num átimo. Levam o louco para a prisão. Após o Natal, a polícia vai até a cela para interrogar aquele que perturbara a festa. Na cela não havia ninguém. Alguém o vira sair do prédio em construção. Vão até lá. Num canto está uma trouxa. Abrem. Dentro havia três pregos e uma coroa de espinhos. (João Modesti, O sim e o não da vida)

2°passo - Divisão em pequenos grupos, que responderão às seguintes questões:
1. Por que as pessoas não reconheceram Jesus?
2. O que Jesus estava denunciando com a sua atitude?
3. Por que o prenderam?
4. Qual a mensagem que fica para o grupo?

3°passo - Apresentação das respostas.

4°passo - Propor um breve debate sobre o assunto: como viver a radicalidade do Reino hoje?

5°passo - Conclusão.

4º Dinâmica
Objetivo

Aprofundar as características do Reino de Deus.

Material necessário
Bíblia e frases escritas em tiras de papel.

Descrição da dinâmica
1º passo - Escrever algumas passagens bíblicas que falem sobre as características do Reino de Deus. Ele:

• é um mistério, maior que tudo que conhecemos, mas, ao mesmo tempo, muito presente no nosso dia-a-dia (Lucas 8,10);

• é algo dinâmico-é um (ao construí-lo já o experimentamos) e um ainda não (não se confunde com nenhuma sociedade humana);

exige confiança - em Mateus 6,31-34, Jesus nos exorta a gastarmos nossas energias no que realmente vale a pena. Se vivêssemos numa sociedade baseada na partilha, com certeza teríamos o direito de comer todos os dias, de ter roupa, moradia, acesso à saúde, educação...

é indefinível - o alcance do Reino é ilimitado quanto ilimitado é o próprio Deus. Por isso, Jesus se utiliza de parábolas para que as pessoas entendam o que ele quer dizer. As parábolas têm a propriedade de ensinar a partir da vida concreta de quem as ouve. São comparações com o dia-a-dia do povo, onde ele se acha fazendo parte do relato (Mateus 13,31-32);

é expressão de sonhos populares - quando se fala da instauração do Reino (senhorio de Deus sobre tudo e todos), logo pensamos no cumprimento das promessas divinas referentes aos sonhos mais profundos do povo: fartura (Isaías 65,25), paz (Miquéias 4,3), justiça (Lucas 1,46-55), vida não só longa (Isaías 65,20), mas eterna (Mateus 10,39);

é libertação integral dos males do corpo (doenças, morte), dos males do espírito (falta de fé, tristeza) e dos males da sociedade (opressão, injustiça) - Lucas 4,16-21;

é uma boa notícia - falar e testemunhar o Reino é dar uma boa notícia de vida à humanidade (Marcos 1,15);

requer mudança de vida - é preciso nascer de novo (João 3,3), através do amor e da misericórdia (Mateus 25,35-36). 2°passo - Espalhar essas frases pelo chão, pedindo aos crismandos que, em duplas ou trios, escolham uma que tenha lhes chamado mais a atenção.

3ºpasso - Nesses pequenos grupos, atualizar a passagem bíblica para a realidade que estão vivendo.

4°passo - Apresentação das frases e das descobertas. Conclusão.

5º Dinâmica
Objetivo

Reviver situações em que o Reino de Deus é anunciado nos Evangelhos.

Material necessário
Bíblia e material para encenação.

Descrição da dinâmica
1°passo- Escolher uma passagem do Evangelho que fale sobre o Reino de Deus. Exemplos: as Bem-aventuranças (Lucas 6,20-26); parábola do semeador (Mateus 13,1-9); parábola dos trabalhadores da vinha (Mateus 20,1-16); conversa de Jesus com Zaqueu (Lucas 19,1-10), com Nicodemos (João 3,1-15), com a mulher samaritana (João 4) etc.

2°passo - Encenar a passagem bíblica escolhida, atualizando sua mensagem.

3° passo -Apresentação. Conclusão.

Leitura de apoio
Já no início de sua vida pública Jesus assume como proposta de ação e pregação a realidade do Reino de Deus:

O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar a remissão aos presos e aos cegos a recuperação da vista, para restituir a liberdade aos oprimidos e para proclamar um ano da graça do Senhor Lucas 4,18-19).

Coerente com o Projeto que o Pai lhe confiara, Jesus percorreu as estradas da Palestina fazendo e ensinando, numa atuação marcada por curas. Essas curas eram, porém, seguidas de um ensinamento preciso. O milagre não era um fim em si mesmo, mas preparava os corações para receber o ensinamento do Reino.

Parábolas do Reino
O ensinamento de Jesus é feito em forma de parábolas. O evangelista Mateus traz um resumo delas (Mateus 13,1-43). A semente é a comparação mais feliz do Reino. Ela é sempre boa. Germina sempre, embora por vezes não encontre condições favoráveis para crescer e frutificar.

O Reino é o fermento. O Reino é a pérola... O Reino é o bem mais precioso, pelo qual os que o descobrem são capazes de deixar tudo. Jesus exprime essa exigência do Reino com a afirmação de que as pessoas vendem tudo para possuí-lo (Marcos 10,17-27).

Exigência da partilha do que se é e do que se tem

Ao jovem rico, que já havia praticado integralmente a Lei, Jesus convida para que se comprometa num seguimento radical. Para quem tudo tem nesta terra, bem como diante de uma prática de justiça legal, o abandono de todas as coisas é condição de salvação. Jesus não condena as riquezas. Mas é categórico em afirmar que elas são uma tremenda dificuldade para a salvação. O jovem fica triste... Os discípulos ficam medrosos. Mas Jesus não recua na sua exigência. É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha que um rico entrar no Reino do céu. A exigência é precisa. É o desapego. É ter para o devido conforto, mas sem luxo e supérfluos.

Jesus tem uma atitude e um ensinamento especial para os pecadores. Ao longo dos Evangelhos podemos encontrar relatos dessa ação misericordiosa de Jesus (Zaqueu, Mateus, a Samaritana, a mulher adúltera experimentam seu carinho e sua misericórdia).

Jesus, pregador incansável do Reino, deixou claro também suas exigências fundamentais. Uma delas é a acolhida. Os grandes convertidos do Evangelho acolheram com fé a mensagem que Jesus anunciava. Jesus propõe o Reino como força irresistível (Marcos 1,15); e os discípulos, ao seu convite explícito, vão acolhendo o Reino. "Vinde em meu seguimento e eu vos farei pescadores de homens. E imediatamente deixando as redes, eles o seguiram" (Marcos 1,17-18). A acolhida, seguida do colocar-se em companhia do Senhor, é condição fundamental.

A segunda exigência do Reino anunciado por Jesus é a conversão. Os que o acolhem devem deixar sua vida anterior de pecado e de fraquezas e entregar-se totalmente ao Deus do Reino. As parábolas da semente, das quais falamos anteriormente, demonstram este dado. A conversão conduz os que a vivem a se sentirem criaturas novas. De tal forma eles vivem o dom, que começam a ver Jesus nos seus irmãos, principalmente nos pequenos, nos sofredores e nos pobres.

Outra exigência fundamental do Reino é acreditar no amor feito perdão, ou seja, no Deus que é misericórdia. A pregação de Jesus muda as características do Deus dos hebreus. O Deus de Jesus é Pai misericordioso -é Abbá. Se você fosse traduzir para o português, Abbá seria o paizinho querido, que não assusta os seus filhos, mas os trata com aconchego e carinho. Esse pai perdoa, acolhe, fica triste com a partida do filho e se alegra muito, a ponto de fazer uma grande festa, quando ele retorna. Mas coloca como condição para ser irmão a acolhida para quem erra. "Era preciso que festejássemos e nos alegrássemos, pois este teu irmão estava morto e tornou a viver: estava perdido e foi reencontrado" (Lucas 15,32). O perdão é a chave de leitura do Reino. Morrendo na cruz, Jesus deu o perdão, converteu e anunciou.

O Reino é gratuidade e libertação

Outra riqueza do Reino é a certeza de que Jesus anuncia o Deus da Bíblia que os doutores da Lei e os sábios de Israel haviam tentado manipular. Haviam transformado o Templo num lugar de vendas e compras. As normas, em verdadeiras amarras. A Lei, em opressão... Enfim, era tamanha a exigência que se passava ao povo, que este não conseguia sentir-se amado por Deus e ter nele confiança em plenitude.

A mensagem de Jesus revela, também, uma dimensão fundamental do Reino: ele é definitivo. Jesus não traz só uma proposta de mudança de vida. Ele propõe, com sua mensagem, uma vida que não acaba nunca. Os que aderem ao seu plano sabem estar começando, já nesta terra, uma vida plena. É preciso desafiar os mecanismos de morte que tentam esconder a realidade do Reino.

Para sustentar o homem na caminhada para esta vida plena, Jesus se proclama o pão da vida. "Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim, nunca mais terá fome, e o que crê em mim nunca mais terá sede" (João 6,34). Jesus tinha plena consciência de que esta era a sua missão.
Receber a mensagem de Jesus não é somente conhecer uma idéia sobre Deus. É, antes de tudo, fazer uma experiência de vida e assumir uma atitude.

Celebração

Aproveitar a terra da encenação proposta na 2a dinâmica ou trazer um vaso com terra. Leitura de Marcos 1,15. Cada um recebe uma semente, com a proposta de plantá-la no vaso, simbolizando a nossa confiança nesse Reino e o compromisso de ser semente boa em terra boa, que dá até cem frutos por um. Depois, passado um tempo, seria interessante apresentar as plantas nascidas desse encontro.

Próximo encontro

Propor ao grupo que leia durante a semana Atos 2,1-21, anotando o que entenderam. Esse texto é importante, pois se relaciona diretamente com o sacramento da crisma.

Citações Bíblicas

• bem-aventuranças: Mateus 5-7;
• Jesus nos ensina como anunciar a Boa Nova do Reino: Lucas 6,20-23 (pobres); Marcos 10,4.13-16 (crianças); Lucas 10,38-42 (mulheres); Mateus 9,10-13 (pecadores); Marcos 2,1-12 (doentes); comparar Marcos 10,17-27 e Lucas 19,1-10 (ricos); Mateus 10,1-25 (discípulos);
• a eficácia da missão; até cem frutos por um: Mateus 13,1-9 ;
• o Reino exige amor a Deus e ao próximo, com confiança: l João 4,17-21; exige também uma opção radical pêlos pobres: Mateus 25,36-41;
• pressupõe nascer de novo: João 3,1-7; estar atento à Palavra que liberta: Lucas 10,38-42; saber que o Reino é para todos: Lucas 23,39-43;
• quem crê em Jesus e no Reino do Pai não perece: Romanos 6,5.



 
 
xm732