Com a palavra...
 
Advento: tempo de alegria e esperança
Por: Dom Fernando Mason
Bispo Diocesano de Piracicaba
 
Leia os outros artigos
 

A Igreja está celebrando o Tempo do Advento, marcando o começo de um novo Ano Litúrgico. Liturgia significa "serviço", portanto iniciamos um novo ano de serviço a Deus!

O Advento é um tempo especial em que somos convidados a uma atitude de vigilância e expectativa, preparando-nos para a celebração do nascimento de Jesus Cristo. As leituras deste tempo nos convidam à vigilância, à oração, à conversão, à abertura para ouvir e acolher a palavra de Deus como fez Maria. São textos proféticos que nos incitam à mudança de vida, à espera do Salvador que vem, vivendo hoje o mesmo espírito de preparação do povo do Antigo Testamento.

É um tempo propício de penitência, mas também de alegria e esperança na vivência do mistério da encarnação de Deus que veio para nos salvar. Ele se fez homem no seio da Virgem Maria e assumiu plenamente nossa humanidade, igual a nós em tudo, exceto no pecado, como nos lembra o apóstolo Paulo.

O Advento é tempo de espera desse grande evento da história humana: a visita do nosso Deus e Pai pelo nascimento de seu filho, Nosso Senhor Jesus Cristo. Ele é a grande graça de Deus para nós. A percepção desta graça leva a nós cristãos a festejar. Esta festa é tão alegre, grande e contagiante que dela participam até aqueles que não o conhecem ou se tornaram indiferentes a Ele.

Deixando de lado formas pagãs de festejar, que por vezes afeiam até nós cristãos, o Advento e a celebração do Natal são grandes momentos de retomada da nossa adesão a Jesus Cristo.

Esta retomada consiste na vontade nossa de nos deixar evangelizar por Jesus Cristo e engajar-nos em nome dele na evangelização dos que se afastaram dele, ou se tornaram indiferentes, ou ainda o desconhecem.

O Advento nos prepara para o Natal, a celebração do mistério de Deus que se faz criança e assume nossa humanidade. Natal é a abertura do homem para um horizonte maior, horizonte que lhe dá a possibilidade de ter e realizar um sentido de vida que o conduza e o satisfaça, fazendo com seja verdadeiramente ele mesmo, portanto salvo. Pois no Natal celebramos o inaudito: Deus se fez (e liturgicamente sempre se faz) homem.

Natal é o anúncio da benignidade de Deus, da surpreendente comunhão entre o divino e o humano, uma comunhão que é "salus", isto é, saúde radical, salvação.

Natal é salvação não no sentido de que o homem, para ter abertura, comunhão e participação com o divino, deve se tornar menos homem, mas que deve se tornar tão homem quanto Jesus Cristo o foi. É grande este mistério de bondade.

A compreensão e a recepção deste mistério na vida nossa pessoal, eclesial, comunitária e social não é fácil, e não é fácil fazer com que ela se torne "história". Ela implica transformação. E a transformação do ser humano é sempre processo lento, que exige constância, empenho e vigilância, numa saudável repetição de reflexões e exercícios religiosos.

O tempo litúrgico do Advento é destinado ao cultivo desse empenho e dessa vigilância, passando pela boa percepção da insuficiência, fragilidade e maldade da "condição humana". Quanto mais fizermos ecoar em nós esta experiência, com maior alegria estaremos celebrando o Natal, pois perceberemos pela experiência que, em Jesus Cristo, o divino faz de fato levedar o humano e lhe dá transformação e sentido pleno.

Vivendo o Advento, portanto, já estamos celebrando o Natal. E celebrando o Natal, estaremos de fato vivendo o feliz Advento do Senhor.



 
 
xm732